October 23, 2019

December 18, 2016

Please reload

Posts Recentes

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Em Destaque

Divertida Mente um filme pelo qual pode se conversar sobre tristeza e as emoções básicas

May 7, 2016

 

"Acho que é muito corajoso fazer um filme em que é a Tristeza quem salva o dia", afirmou Jim Morris, presidente da Pixar, durante visita ao Brasil.

 

Na trama, apesar de Riley ser uma garota alegre, a pré-adolescência e uma mudança de cidade bagunçam as coisas na mente da menina, levando a um desentendimento que coloca a Alegria e a Tristeza para fora do centro de comando e em uma jornada pelas diversas regiões da mente. Em duas cenas inéditas assistidas pelo UOL já fica evidente que a animação bebe em fontes espinhosas –como a psicanálise e a neurociência-- e toca em temas delicados, como a depressão, sem deixar de lado a riqueza visual e o humor que caracterizam as produções da Pixar.

 

"A Alegria sempre tenta arrumar as coisas, mas é a Tristeza quem colabora para que tudo funcione. E é uma ideia complexa, estávamos muito preocupados. Mas fizemos uma exibição com algumas crianças e elas todas entenderam tudo. Acho que há muito pouco que as crianças não entendem. Elas solucionam as coisas, são muito espertas e às vezes entendem até melhor do que os adultos", acredita.

 

Se as crianças entenderam bem a ideia do filme, talvez seja porque ele foi inspirado em uma delas: a filha do diretor Pete Docter.

"Pete Docter observou sua filha crescer, e ela era essa criança feliz. Mas, de repente, entrou na pré-adolescência e começou a ficar pelos cantos, amuada. Ele se perguntava: 'o que aconteceu com a minha garota?'", conta Morris, descrevendo um comportamento muito parecido com o de Riley nas cenas do filme.

 

"As coisas que acontecem no filme são muito genuínas. Mas o que levou Pete a essa ideia, depois de pesquisar, é que, mesmo que queiramos que as pessoas sejam felizes e alegres, elas têm que ficar tristes às vezes. E ele percebeu que tinha que deixar sua filha passar um pouco por aquilo para ajudar no processo de crescimento e em seu equilíbrio. Ela não tinha que ser sempre feliz e animada. Há algo curativo em chorar e passar por um período de tristeza para chegar ao próximo estágio", acredita Morris.

Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Rafael Czarnobai © 2016